Taxa Selic: o que é e por que temos que estar atentos a ela?

Por Giovanna Bambicini

Você provavelmente já ouviu falar sobre a Selic. Afinal, pelo menos a cada 45 dias, quando o Banco Central (BC) determina e divulga seu rumo, ela é notícia. Nos últimos anos, têm chamado atenção também as diversas quedas da Selic. Sim, ela caiu! E foi tanto que chegou a bater recordes consecutivos de menores patamares da história.

Ok, mas quem é essa tal de Selic? E será que realmente tenho que me preocupar se ela sobe ou desce?

Bom, a Selic é a taxa básica de juros da nossa economia. Selic é a abreviação de Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Falando assim não ajuda muito, não é? Mas aguenta firme que não é tão complicado assim. Ela é BÁSICA porque serve de referência para outras taxas, como aquelas cobradas em financiamentos ou empréstimos e as que remuneram alguns investimentos, como os títulos públicos, a poupança, o CDB e muitos outros.

O Banco Central, por meio do Copom (Comitê de Política Monetária), determina e divulga a cada 45 dias a meta da taxa Selic, tendo como foco estratégico o controle da inflação. É assim: se os preços dos produtos e dos serviços sobem, a inflação aumenta, e aí o governo tem que elevar a Selic para tentar desacelerar essa alta. O contrário acontece quando a inflação está em baixa ou controlada: aí o BC pode diminuir a Selic e aquecer a economia.

Nos últimos anos, aumentou desemprego no Brasil e diminuiu o poder de compra da população. Com isso, também ficou menor a demanda por produtos e serviços, que, por sua vez, derrubou a inflação e abriu espaço para o governo reduzir também a Selic. Com a taxa de juros mais baixa, o crédito fica mais barato, tanto para as pessoas físicas quanto para as empresas, e há chances maiores de a economia melhorar.

Do fim de 2016 para cá, é exatamente isso que tem acontecido. Na tentativa de movimentar a economia, a Selic começou a cair, até que hoje, início de julho de 2020, ela chegou em 2,25% ao ano, que é o menor patamar da história. No começo de 2016, por exemplo, ela estava em 14,25% ao ano.

Por que precisamos estar atentos à Selic?

Se é a Selic que condiciona outras importantes taxas do mercado, vale estar atento a sua movimentação. Isso porque se ela cai, os juros pagos em empréstimos, por exemplo, também podem cair. Na mesma medida, caem ainda os rendimentos dos investimentos atrelados a ela, como os do Tesouro Selic ou da poupança (ou seja, o investidor ganha menos).

O contrário também é verdade. Se a Selic sobe, aumentam tanto as cobranças de taxas que se baseiam nela quanto as rentabilidades dos títulos. É essa movimentação que explica por que de uns tempos para cá as rentabilidades dos títulos de renda fixa têm sido tão baixas. Elas foram derrubadas com a Selic! Mas isso é assunto para outra conversa.

Ah! Vale só lembrar que, no papel de REFERÊNCIA, a Selic não representa exatamente os juros que devem ser pagos ou recebidos. Na verdade, ela é uma tentativa de influenciar as taxas que os bancos vão cobrar nos empréstimos, por exemplo. Então, se você tem uma dívida, é possível que não pague exatamente o valor da Selic de juros. Assim como não vai receber o mesmo percentual dessa taxa no rendimento da sua caderneta de poupança (a rentabilidade é calculada a partir de uma regrinha que usa a Selic como base).

Os impactos nos investimentos

Então quer dizer que se a Selic cai eu ganho menos com meus investimentos? É quase isso. Se sua carteira de investimentos tiver apenas produtos de renda fixa, você vai ganhar menos. Existem no mercado outros produtos que não são atrelados à Selic e podem ter rendimentos diferentes. Mas fique sempre atento que a escolha do produto deve considerar seus objetivos com aquele dinheiro e seu apetite ao risco (ativos mais agressivos têm chances de perdas do valor que você aplicou) e não apenas o retorno que ele pode trazer. Se você está começando nesse mundo dos investimentos, os produtos referenciados pela Selic são opções interessantes. Mesmo rendendo menos agora, você já vai começar a ver seu dinheiro crescer!

Texto elaborado pela voluntária: Giovanna Bambicini

Revisão e edição: Lara Madeira

O Ação Jovem do Mercado Financeiro e de Capitais (AJ) é uma associação sem fins lucrativos que visa aproximar os brasileiros do mercado financeiro - www.ajmc.br

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ação Jovem do Mercado de Capitais

Ação Jovem do Mercado de Capitais

O Ação Jovem do Mercado Financeiro e de Capitais (AJ) é uma associação sem fins lucrativos que visa aproximar os brasileiros do mercado financeiro - www.ajmc.br

More from Medium

Essay on the article “The Normal Life” by Mara

Confession: I’m kinda like Elizabeth Holmes

The war with weed(s). No. Garden weeds.

『Get over 20% rewards with Biswap』